Conflitos Éticos em Psiquiatria: saiba as melhores condutas

8 minutos para ler

Caro(a) colega médico(a), na longa história de definição dos comportamentos típicos e atípicos, bem como a dicotomia da divisão entre sanidade e loucura, os conflitos éticos em Psiquiatria, como bem sabe, colega médico, sempre permearam os grandes debates.

O Código de Ética Médica visa auxiliar nossa atividade profissional e resolver parte dessas questões. Entretanto, existem questionamentos e dúvidas que apenas os colegas psiquiatras e a Associação Brasileira de Psiquiatria debatem.

Neste texto, falaremos sobre alguns dos principais conflitos éticos que você, colega médico psiquiatra, enfrenta, já enfrentou ou irá enfrentar em sua atividade profissional.

Qual é a verdadeira finalidade da Psiquiatria?

O fazer da Psiquiatria é algo que ainda gera dúvida, mesmo entre os colegas mais experientes. O objetivo de estudo dessa vertente da ciência médica é o psiquismo humano. Entretanto, isso não nos diz qual é o objetivo máximo do trabalho do psiquiatra.

Podemos, nesse caso, usar a concepção de Henri Ey (neurologista, psiquiatra e psicanalista francês).

De acordo com Ey, o resultado máximo do trabalho do médico psiquiatra é promover o crescimento, liberdade e amadurecimento dos pacientes. Em outras palavras, tratar alguém é levar essa pessoa de um ponto de crise, insegurança e perda de razão a uma vida mais assertiva, mesmo que sendo alguém com um comportamento atípico e estereotipado.

Desse modo, a Psiquiatria não deve se ater a tratar os sintomas, mas sim em promover uma vida saudável aos pacientes. Para tal, O psiquiatra Ivan de Araújo deixa claro que a verdade é a principal ferramenta do profissional médico. Enviesar-se por mentiras reconfortantes ou tentativas de contornar a realidade podem apenas fazer com que o paciente se afaste das pessoas e do tratamento.

Logo, você, colega médico psiquiatra, tem um compromisso com a verdade. Isso inclui, por exemplo, a informação dos motivos para usar determinado medicamento, esclarecer a necessidade de tratamentos medicamentosos longos, falar sobre efeitos adversos, riscos e demais informações relevantes.

Quando o tratamento compulsório é uma conduta ética nas atividades ABP?

O tratamento compulsório é ético? Quando o consentimento é necessário? Por mais que o novo Código de Ética Médica trate desse tema, as especificidades da atuação psiquiátrica levam a discussão para um outro nível.

Por exemplo: se temos o consentimento do paciente, significa que o tratamento poderá ser feito? Não! O médico psiquiátrico ainda deve se atentar para a lucidez do paciente, bem como as informações que este (o paciente) dispõe.

Julgar a avaliação da realidade que o paciente dispõe é uma competência médica. Se nessa avaliação constar que o paciente tem pobre contato com a realidade, a intervenção compulsória ainda assim não é bem-vista, uma vez que ela pode interferir no tratamento típico dos males psíquicos.

Quem defende a internação compulsória aponta que ela é plausível (mas sempre que possível, deve ser evitada) nos casos em que o paciente apresenta risco para si mesmo, para outras pessoas ou que ele é incapaz de entender o caráter doentio das suas próprias manifestações. Além disso, tal intervenção deve ser pautada na possibilidade de uma boa resposta ao tratamento, caso contrário, ela é injustificada. Quais são os limites da ação psiquiátrica e do tratamento adequado?

Como contornar os dilemas éticos diários?

Em sua atuação diária, o colega médico psiquiatra terá de enfrentar diversos dilemas éticos. Quantas vezes o doutor já não se deparou com situações nas quais o diagnóstico seria usado para favorecer a discriminação e a violação de direitos do doente? E quantas vezes já não nos deparamos com famílias que apenas esperam o atestado para se apossar dos bens do paciente?

Dado tal fato, o psiquiatra precisa avaliar com cuidado cada caso, levando em consideração que as implicações morais de sua atividade vão além de delimitações técnicas, protocolos ou diretrizes.

Outro ponto de relevância é o sigilo médico. Ele deve ser preservado a qualquer custo pelo bem dos pacientes, correto? Errado! Sandro Spinsanti, importante escritor da temática da ética médica, relata um caso no qual o paciente informou a seu psiquiatra que iria matar uma jovem e o profissional fez a internação do sujeito, mas não alertou os familiares do alvo da ameaça.

Ao terminar seu tratamento, o doente colocou em prática o que tinha afirmado que faria. Em julgamento, o tribunal entendeu que o psiquiatra era culpado de negligência profissional. Ou seja, mesmo em um dos principais pilares da atividade médica (o sigilo), ainda temos que pesar a melhor decisão a ser tomada.

Como a atividade profissional do médico psiquiatra é inerente ao tempo no qual vivemos, o fenômeno social da medicalização do sofrimento é outro ponto de atenção. Os psicofármacos são fundamentais para o tratamento de doenças, especialmente as psicoses, mas o abuso dessa medicação para evitar contato com sentimentos aversivos (tristeza, ansiedade, medo, insegurança etc.) deve ser feito com cuidado.

É necessário que o colega médico encontre uma saída para a “psiquiatrização” dos problemas cotidianos (sócio-econômicos e existenciais).

Em suma, os conflitos éticos em Psiquiatria não tem uma resposta fácil ou uma solução única. O que é possível fazer é enumerar alguns pontos de atenção, como: o médico psiquiatra deve prezar pela saúde e amadurecimento do paciente, pela proteção deste e de terceiros, pelo sigilo médico (quando isso não acarretar danos maiores do que a quebra do sigilo) e pela utilização responsável de psicofármacos.

Essas reflexões ajudaram você, colega médico? Então, assine nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos diretamente em seu e-mail.

Venha para AproMed | Ética e Profissionalismo

O melhor do médico segue sendo sua credibilidade e respeito ao Código de Ética Médica. Por isso, conte com a nossa instituição de ensino médico, especializada em cursos preparatórios para a prova de título de especialista — AproMed | Ética e Profissionalismo.

Presente em Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Recife, você, colega médico, pode contar com a sua AproMed | Ética e Profissionalismo para conquistar o tão imprescindível Registro de Qualificação de Especialista (RQE), através de uma metodologia única e que conta com diferencial do Aprovamos OU Devolvemos.

Você pode, você merece, você é capaz.

Juntos somos mais fortes!

A sua AproMed | Ética e Profissionalismo oferece uma extraordinária Tríade de Diamantes AproMed 💎💎💎: aulas presenciais ➕ aulas gravadas para rever à vontade (não temos EAD) ➕ Mentoria Diária AproMed – 👥 Projeto Você não está só! – a ser realizada por professores com mestrado ou doutorado, das 8h às 18h e de segunda-feira a sexta-feira. Consulte o regulamento.

Ao longo de 12 meses, o colega médico será preparado com: 192 horas-aulas presenciais, 60 horas-aulas gravadas e mentoria online diária, tudo isso para garantir aprendizado de excelência e a conquista do tão sonhado título de especialista (RQE).

Seguramente, o progresso do médico generalista é a conquista do seu importantíssimo e necessário título de especialista para registrá-lo no CRM. Com o RQE, tudo fica mais fácil.

Prezados colegas médicos(as), divulguem esse conteúdo para seus colegas médicos. Vamos valorizar o título de especialista registrado no CRM, pois essa ação trará melhoria para a Medicina brasileira, além de alertar a todos para a exigência do CFM.

Saiba mais no nosso site: www.apromed.com.br |0800 941 7250 ou pelo nosso WhatsApp (31) 99672-0825. Instituição de ensino médico AproMed | Ética e Profissionalismo, especializada em curso preparatório para prova de título de médico especialista nas cidades BH SP, DF, RJ e Recife. Aprovamos OU Devolvemos.

Participe também da nossas futura conferência:

  • Dr. Leandro Karnal, doutor pela USP, falando sobre Medicina e Compaixão.

✅ Exclusivamente para médico

O médico pode atuar em todas as especialidades médicas sem restrições. Contudo, o Conselho Federal de Medicina (CFM), através do artigo 117 do novo Código de Ética Médica, exige do médico que divulga sua especialidade em anúncios profissionais de qualquer ordem, que junto ao nome inclua também seu número do Conselho Regional de Medicina (CRM), com o estado da Federação no qual foi inscrito e o seu Registro de Qualificação de Especialidade (RQE). E, caso o médico não cumpra essa norma ele estará sujeito a um processo ético administrativo junto ao CRM visto que se trata de uma infração ao Código de Ética Médica.

Posts relacionados

Deixe um comentário